Ir Arriba

Trindadense construtor de uma agricultura resiliente para alimentar o Caribe receberá o prêmio do IICA concedido a “Líderes da Ruralidade”

Con estudio y con paciencia, Roop aprendió a adaptarse al cambio climático y se convirtió en un experto en el cuidado de los suelos y el manejo de los recursos naturales.
Com estudo e paciência, Roop aprendeu a se adaptar à mudança do clima e se tornou um perito no cuidado dos solos e na gestão dos recursos naturais.

São José, 14 de junho de 2021 (IICA). O conhecido produtor agrícola trindadense e promotor de uma agricultura resiliente focada no bom uso da água e da saúde do solo Ramgopaul Roop receberá o prêmio “A Alma da Ruralidade”, que o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) outorga a Líderes da Ruralidade das Américas.

O prêmio é parte de uma iniciativa do organismo especializado em desenvolvimento agropecuário e rural para prestar reconhecimento a homens e mulheres que deixam rastro e fazem a diferença no campo da América Latina e do Caribe.

Além de receber como reconhecimento o prêmio “A Alma da Ruralidade”, os Líderes da Ruralidade destacados pelo IICA serão convidados a participar de diversas instâncias assessoras do organismo especializado em desenvolvimento agropecuário e rural.

“Trata-se de um reconhecimento para os que cumprem o duplo e insubstituível papel: o de avalistas da segurança alimentar e nutricional e o de guardiões da biodiversidade do planeta por sua atuação na produção em qualquer circunstância. O reconhecimento, além disso, tem a função de promover exemplos positivos para as zonas rurais da região”, disse o Diretor Geral do IICA, Manuel Otero.

Com essa iniciativa, o IICA trabalha para que o reconhecimento facilite vinculações com organismos oficiais, da sociedade civil e do setor privado, para a obtenção de apoio para as suas causas.

“Falamos de pessoas cuja pegada está presente em cada alimento que consumimos onde quer que estejamos, em cada lote de terra produtiva e nas comunidades em que elas e as suas famílias vivem. São homens e mulheres que deixam rastro e são a alma da ruralidade porque produzem, plantam, colhem, criam, inovam, ensinam e unem”, afirmou o Diretor Geral do IICA, Manuel Otero, ao lançar a iniciativa.

“São pessoas que encarnam lideranças silenciosos que é preciso visibilizar e reconhecer. São, sobretudo, exemplos de vida. Porque transformam, superam adversidades e inspiram”, acrescentou.

O IICA trabalha com as suas 34 Representações nas Américas na escolha dos primeiros #Líderesdelaruralidad.

Os resultados da primeira etapa da iniciativa serão apresentados ao Comitê Executivo do IICA, uma das instâncias de governo do Instituto.

Ramgopaul Roop: Construindo uma agricultura resiliente e produtiva para alimentar o Caribe

Em 2019, Ramgopaul Roop se fez conhecido em muitas partes do mundo quando o seu exemplo de perseverança e desejo de aprender começou a circular nos meios jornalísticos e nas redes sociais. Rapidamente, o seu nome se tornou fonte de inspiração para muitas pessoas de diversas latitudes com desejo de progredir e ser melhores.

Todo aconteceu quando se soube que esse curioso e tenaz agricultor e empreendedor de Trinidad e Tobago, então com 71 anos, obteve com honra o mestrado em administração de empresas, com especialização em recursos humanos, da Universidade Napier de Edimburgo, Escócia.

Roop estudou à distância em sua fazenda em Trinidad e viajou ao Reino Unido para a cerimônia de graduação. Apenas dez anos antes, nem sequer sabia como usar um computador.

“Foi necessário reorganizar a minha vida para estudar on-line. Como agricultor, não foi fácil trabalhar sob os raios do sol tropical ao longo do dia e, depois, estudar longas horas à noite, às vezes até o amanhecer”, conta Roop, que é diabético e precisa dar atenção contínua aos níveis de açúcar do sangue.

“Naturalmente’, disse, “por diversas vezes estive a ponto de colapsar no campo por hipoglicemia, enquanto trabalhava debaixo de muito calor, mas nunca pensei em abandonar os estudos. Sabia que este era o último trem e não queria perdê-lo de jeito nenhum. O processo foi muito desafiador, mas também muito estimulante. Estou convencido de que não existem limites de idade para realizações acadêmicas nem para o desenvolvimento profissional”.

A história do empenho de Roop começara, na realidade, muitos anos antes. Nascido em 1947, esse agricultor é descendente de imigrantes indianos que chegaram a Trinidad e Tobago no século XIX, sob o infame sistema desenhado pelo Império Britânico para criar mão de obra barata nas plantações das suas colônias. Os pais de Roop foram camponeses que não sabiam ler nem escrever.

Em 1971, ele obteve o seu diploma em agricultura no Instituto Caribenho Oriental de Ciências Florestais e, em 1990, estabeleceu a sua fazenda familiar, que administra em conjunto com a esposa Beena Roop e o filho Sunil. Mas nunca abandonou o desejo de continuar aprendendo.

El establecimiento familiar de Ramgopaul Roop está ubicado en una zona agrícola llamada Carlsen Field, en Trinidad Central, a 30 kilómetros aproximadamente de Puerto España, capital trinitense.
A propriedade familiar está localizada em uma zona agrícola chamada Carlsen Field, no centro de Trinidad, a 30 km aproximadamente de Port of Spain, capital trindadense.

“Depois de ver os meus três filhos se graduarem na universidade, dois em medicina e um em engenharia, o meu grande desejo passou a ser alcançar um alto nível de atualização acadêmica com um mestrado em administração”, disse.

A aventura teve o apoio de toda a família, especialmente da esposa Beena, que leu e releu muitas das versões preliminares dos trabalhos que Roop apresentou à universidade escocesa. “Sei que os meus pais, Poiah e Roop Bataw, estão orgulhosos no céu”, falou emocionado.

A propriedade familiar está localizada em uma zona agrícola chamada Carlsen Field, no centro de Trinidad, perto do escritório da Representação de IICA em Trinidad e Tobago, em Brechin Castle Couva, a 30 km aproximadamente de Port of Spain, capital trindadense.

Ali, na fazenda Rocrops, com 1,5 hectare de terra, Roop conheceu o sentido real da vulnerabilidade da atividade produtiva para as pequenas ilhas do Caribe, mas, em vez de se render à adversidade, trabalhou de maneira incansável na busca de uma agricultura resiliente.

“Os eventos extremos, aumentados pela mudança do clima”, observou, “põem em grave risco os meios de vida das pessoas vulneráveis, entre as quais, certamente, estão os agricultores familiares, que dependem das chuvas sazonais e de solos às vezes marginais para a produção de alimentos”.

“Esses eventos”, acrescentou, “limitam a produção e a rentabilidade dos pequenos produtores, em especial daqueles que cultivam em solos problemáticos”.

Com estudo e paciência, Roop aprendeu a se adaptar à mudança do clima e se tornou um perito no cuidado dos solos e na gestão dos recursos naturais. Graças à sua força de inovação e à busca permanente de soluções, tornou-se referência agrícola desse pequeno país insular, que depende de importações para garantir a segurança alimentar da sua população.

Roop está convencido de que, apesar da alta exposição a eventos climáticos extremos, as pequenas propriedades agrícolas do Caribe podem ser unidades produtivas sustentáveis que passem de geração para geração. E tem dado exemplo disso.

No desenvolvimento da sua fazenda, adotou um enfoque holístico que inclui a preservação do meio ambiente, a boa gestão da água e a incorporação de tecnologias que permitem fortalecer a resiliência nas variações climáticas e aumentar os rendimentos dos cultivos.

“Em Trinidad e Tobago, a agricultura contribui com apenas 0,5% do produto interno bruto, mas cria trabalho para mais de 4% da população, donde a importância das zonas rurais sob a ótica econômica e social. A atual população de agricultores está envelhecendo e deve ser substituída por outra mais jovem. Mas, para isso, é necessário que os jovens vejam que existe um caminho para a agricultura do Caribe ser sustentável”, explicou Roop.

Na sua propriedade, Roop também integrou práticas agroecológicas para a reabilitação do solo de forma amigável com o meio ambiente. A sua principal realização foi a promoção de técnicas de agricultura sustentável e agronegócios com potencial para contribuir para o desenvolvimento rural e a segurança alimentar de Trinidad e Tobago.

O objetivo principal da Rocrops Agrotec é aplicar boas práticas na gestão de solos e água para a agricultura, mediante a gestão e o planejamento dos ciclos de seca, inundações e erosão. A Rocrops é inclusive um ponto focal de visitas de estudantes de carreiras agrícolas.

O trabalho da Rocrops Agrotec foi promovido como modelo de inovação no combate às limitações impostas pelas condições naturais pelo Ministério da Agricultura, Solos e Pesca de Trinidad e Tobago, pela Associação Caribenha de Agronegócios, pela Associação de Agronegócios de Trinidad e Tobago, pela Universidade das Índias Ocidentais e pela Universidade de Trinidad e Tobago.

Nas suas atividades acadêmicas, Roop também trabalhou com o Programa de Mudança do Clima, Recursos Naturais e Gestão de Riscos Produtivos do IICA na publicação de artigos científicos sobre a sua fazenda modelo, além de ter se inscrito em um programa de doutorado da Universidade de Napier de Edimburgo, Escócia.

A sua casa é sede de capacitação e treinamento para estudantes universitários de ciências agrícolas e para membros das comunidades vizinhas.

Mais informação:
Gerência de Comunicação Institucional do IICA.
comunicacion.institucional@iica.int