Ir Arriba

Os especialistas veem uma pressão global crescente por alimentos seguros e um equilíbrio entre a produção e o meio ambiente

Los especialistas recomendaron fortalecer, en el corto plazo, la sanidad y los temas ambientales, simplificar y digitalizar el comercio, y crear cadenas regionales de valor
Os especialistas recomendaram fortalecer, no curto prazo, as questões de saúde e meio ambiente, simplificando e digitalizando o comércio e criando cadeias de valor regionais.

San José, 23 de setembro de 2020 (IICA). Em meio à pandemia Covid-19, vários países da América Latina, como Argentina e Brasil, estão batendo recordes em termos de exportações agrícolas, enquanto no futuro há uma expectativa crescente de consolidação e aumento desses recordes.

Por outro lado, a crise sanitária aumentou a pressão mundial por garantias de alimentação segura e uma relação responsável entre a produção e o meio ambiente.

Ambas as questões devem ganhar cada vez mais espaço e podem gerar oportunidades de harmonização de processos, embora também ameacem servir de plataforma para a escalada do protecionismo, que também representa um risco para a segurança alimentar global.

Foram os alertas lançados por dois conceituados especialistas em comércio internacional com larga experiência em negociações agrícolas: Gustavo Idígoras, presidente da Câmara da Indústria do Petróleo da República Argentina e do Centro de Exportação de Cereais (CIARA-CEC), e Marcos Jank, chefe do Centro Global de Agronegócio da Escola Brasileira de Economia e Negócios INSPER, que participou de um diálogo virtual com o diretor geral do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Manuel Otero.

Para os especialistas, a adoção da exigência do "Covid-free" por importadores da China e da União Europeia mostra que essa tendência pode reforçar uma onda protecionista, que já existia antes da pandemia por meio de discursos refratários ao comércio global que feridas conquistas históricas do sistema multilateral.

“A comida não transmite Covid. É algo arbitrário, contra o qual temos que lutar e fortalecer a OMC (Organização Mundial do Comércio), que hoje é muito débil, e temos que melhorar as relações com a Ásia ”, disse Jank.

“O primeiro efeito da pandemia foi a queda dos preços. A segunda é que todos os governos querem vencer as próximas eleições e precisam de uma rápida recuperação econômica, que pode não incluir a promoção do comércio internacional, portanto, podemos visualizar alguns percalços”, disse Idígoras, que enxerga tendência de aumento do protecionismo.

“O conceito de saúde pública de um terceiro país pode estar condicionado à exportação, por exemplo, na China, onde podemos perder o acesso. Alguns países europeus estão instituindo o padrão “livre de Covid” adotado por alguns supermercados. São aspectos que vão crescer ”, completou.

Na Europa, acrescentaram, além das questões de saúde, as questões ambientais também devem se tornar verdadeiras barreiras ao comércio, como indica a resistência de vários países da União Europeia, e do próprio Parlamento Europeu, em ratificar o acordo comercial com o bloco sul-americano. Mercosul.

Por isso, os especialistas recomendaram fortalecer, no curto prazo, as questões de saúde e meio ambiente, simplificando e digitalizando o comércio e criando cadeias de valor regionais.

“A pandemia aprofundou a crise e o comércio exterior está sendo digitalizado. Isso implica na revisão dos sistemas atuais, certificações, auditorias e classificações. Temos que revisar tudo isso, pois o mundo hoje exige transparência e confiança ”, avaliou Idígoras.

“Saímos dos primeiros meses da crise da Covid com exportações muito positivas para a agricultura e sem escassez, mas há problemas com que nos preocupar. O comércio multilateral está em crise profunda ”, disse Jank.

Comércio intra-regional

O Diretor-Geral do IICA, por sua vez, manifestou sua preocupação com os baixos níveis de comércio entre os países da América Latina e do Caribe.

“O comércio intra-bloco em nosso continente é baixo, mesmo abaixo em termos relativos do praticado na África. Nosso comércio equivale a 14,4% do total exportado, enquanto na União Europeia o comércio intrabloco é de 60% ”, comparou.

Comentando esta situação, Idígoras referiu-se à necessidade de facilitar o comércio e construir cadeias de valor regionais, enquanto Jank destacou que estes baixos percentuais refletem os baixos níveis de integração.

“Não só a Europa é um exemplo, mas também a América do Norte e a Ásia, que têm mais integração nas cadeias de valor”, disse Jank, que também reforçou a importância dos corredores bioceânicos do Atlântico ao Pacífico para integrar e melhorar a infraestrutura e construir outlets para a Ásia.

 

Mais informação:
Gestão da Comunicação Institucional do IICA. 
comunicacion.institucional@iica.int