Ir Arriba

Cooperativismo e associatividade são vitais para fortalecer as contribuições da agricultura familiar para o suprimento de alimentos

El webinar en el que participaron Graciela Fernández (arriba, izq.) y Álvaro Ramos (arriba, der.), fue moderado por el editor del suplemento rural del diario Clarín de Argentina, Héctor Huergo.
O webinário em que Graciela Fernández (acima, à esquerda) e Álvaro Ramos (acima, à direita) participaram foi moderado pelo editor do suplemento rural do jornal Clarín da Argentina, Héctor Huergo.

San José, 27 de maio de 2020 (IICA). Promover o cooperativismo e a associatividade serão aspectos fundamentais no cenário pós-Covid-19 para melhorar o papel da agricultura familiar como fornecedor de alimentos nas Américas.

Esses elementos, acompanhados de políticas públicas diferenciadas, digitalização e conectividade para capacitações, assistência técnica e acesso à informação sanitária fortalecerão os circuitos curtos, nos quais a agricultura familiar é fundamental para o suprimento de alimentos, segundo o presidente das Cooperativas das Américas, Graciela Fernández e o ex-Ministro da Agricultura e Relações Exteriores do Uruguai, Álvaro Ramos.

Os especialistas participaram de um webinário organizado pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), parte de um ciclo no qual o organismo especializado em agricultura e ruralidade hemisférica analisa cenários pós-pandêmicos.

“Os grandes desafios que virão serão as políticas públicas diferenciadas, pois as necessidades são diferentes de acordo com as regiões e países, além de assistência técnica, extensão rural, financiamento e acesso do produtor a informações sanitárias e fitossanitárias, além de protocolos e suprimentos para garantir a segurança da comida ao consumidor ”, disse Ramos.

Eles serão fundamentais, acrescentou o ex-ministro, conectividade e digitalização; também inovam em tecnologias e plataformas de comunicação para agricultura familiar e utilizam cooperativas para sua eficácia na aplicação de instrumentos de políticas públicas.

Por sua vez, Graciela Fernández explicou que o cooperativismo conta com instrumentos úteis para o desenvolvimento e o papel principal da agricultura familiar na região e nos esquemas de comercialização.

"A cooperação entre cooperativas de poupança e crédito que financiam empresas agrárias similares, bem como pequenos agricultores para avançar e manter-se nessa complexa situação, e aquelas de consumo que apoiam as empresas agrárias para que possam colocar seus produtos, fazem parte do processo, são parte das muitas contribuições que esse setor pode oferecer ”, afirmou a presidente das Cooperativas das Américas.

Desafios e contribuição da agricultura familiar

Fernández e Ramos explicaram que, durante a pandemia, no nível agroalimentar, a crise foi causada mais pela demanda por produtos do que pela oferta, devido às mudanças nos hábitos de consumo. Isso pode ser causado pela falta ou diminuição da renda e pelo isolamento social, que modificou as formas de oferta.

"A agricultura familiar da região é afetada pela interrupção da cadeia de suprimentos, porque as empresas que processam, condicionam e transportam os produtos têm dificuldades, os pagamentos são cortados, não há créditos ou são substancialmente reduzidos e começam a lutar para desenvolver seu processo de produção ", afirmou Ramos.

De acordo com Fernández, na América Latina e no Caribe, quase 15% das exportações de produtos agroalimentares para o mundo estão nas mãos da agricultura familiar e este é o destino de 6% das importações. "Com a pandemia, há obviamente danos sérios", explicou.

Ele acrescentou que, em relação às restrições à exportação, em certas áreas, elas atingiram cerca de 5% por causa das medidas de isolamento social e do impacto no transporte de suprimentos pelo fechamento de fronteiras na região. Isso se traduz em efeitos diretos em cadeias curtas e perecíveis, além de impactar agricultores familiares e consumidores.

Fernández e Ramos destacaram que, apesar das dificuldades atuais, a agricultura familiar continua produzindo alimentos e, dependendo do país, sua contribuição varia de 60% a 70% dos produtos nas cestas básicas.

O último seminário deste ciclo organizado pelo IICA será na próxima quinta-feira, às 16h. (horário da Costa Rica) ou 19h, no horário do Brasília, com foco no pós-Covid-19 da perspectiva dos países do Caribe.

Ele será transmitido a partir da Sala de videoconferência virtual do Instituto e de suas contas oficiais no FacebookYouTube Instagram.

As apresentações dos seminários já realizados estão disponíveis para comentários e discussão no blog do IICA "Semeando a agricultura do futuro hoje": https://blog.iica.int/.

Próximo seminário:

O pós-Covid-19 na perspectiva dos países do Caribe | Quinta-feira, 28 de maio

Expositores:

Chelston Brathwaite, Diretor Geral Emérito do IICA.

James Fletcher, ex-ministro da Energia de Santa Lúcia.

Transmissão por FB Live, Youtube e sala virtual do IICA:

4 p. m. horário da Costa Rica. / 19h, horário de Brasília 

Mais informação:
Federico Villarreal, Diretor de Cooperação Técnica do IICA. 
federico.villarreal@iica.int