Languages

  • Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura
  • Agricultura, prioridade para o desenvolvimento sustentável das Américas

IICA contribui para melhorar a inserção comercial dos produtos da agricultura familiar e indígena dos países do Mercosul

IICA contribui para melhorar a inserção comercial dos produtos da agricultura familiar e indígena dos países do Mercosul

O Instituto cooperou com a realização de um seminário que busca expandir a formalização de produtos como mecanismo para sua introdução nos mercados de maneira sustentável e competitiva.

O sub-diretor-geral do IICA, Lloyd Day, participou da XXVII REAF em Paraguai.

Assunção, 13 de junho de 2018 (IICA). Dezenas de atores envolvidos na agricultura familiar e indígena participaram de um seminário realizado nesta semana em Assunção, Paraguai, com a finalidade de discutir as estratégias para melhorar a inserção comercial de seus produtos nos mercados dos países do Mercosul.

No contexto da 28a Reunião Especializada sobre Agricultura Familitar do Mercosul (REAF), o evento foi organizado pelo Ministério de Agricultura e Pecuária (MAG) do Paraguai, em sua condição de presidente pró-tempore do Mercosul, com o apoio do Intituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

A sustentabilidade da agricultura familiar depende, em grande medida, da dimensão econômica de sua dinâmica produtiva, que está condicionada ao acesso a mercados. Atualmente, a maioria desses produtores está vinculada aos mercados por meio de circuitos de comercialização que envolvem alta participação de intermediários. A venda de seus produtos costuma se dar em condições informais.

Entre as estratégias que têm facilitado e melhorado o acesso desses produtos aos mercados estão o associativismo, a formalização jurídica e comercial das organizações, o cumprimento de normas técnicas e o uso de marcas coletivas, como o Selo da Agricultura Familiar.

Com esses mecanismos, o agricultor consegue minimizar os riscos de diferente índole e aumentar a escala dos produtos que oferecem aos mercados. Também aumenta seu poder de negociação junto aos agentes de mercado mais fortes e exigentes.

Por isso é tão importante orientar o diálogo entre as autoridades e os representantes da agricultura familiar sobre as políticas para facilitar o acesso da produção do setor aos mercado, nas condições mais vantajosas possíveis.

Segundo o secretário técnico da Reaf, Lautaro Viscay, a reunião de Assunção concentrou-se em dois eixos centrais: a mulher rural e a formalização da oferta da produção da agricultura familiar e indígena, na qual destacou a participação do IICA.

"O IICA é um aliado estratégico para nós, e sua contribuição no tema das políticas públicas diferenciadas para a agricultura familiar e o avanço em agenda da mulher rural na região tem sido importante", assinalou.

O sub-diretor-geral do IICA, Lloyd Day, afirmou que, para o Instituto, é vital gerar um espaço de diálogo franco e de reflexão crítica sobre este tema.

"O IICA considera a produtividade e a sustentabilidade da agricultura familiar um dos grandes temas estratégicos articuladores de sua cooperação técnica. Por isso, temos realizado ações nos âmbitos nacional, regional e hemisférico orientadas para a geração de condições para o desenvolvimento de estratégias que promovam seu fortalecimento", mencionou.

Durante o seminário, foram compartilhadas e valorizadas as experiências positivas que a Argentina, o Brasil, o Chile e o Paraguai tiveram no fortalecimento do associativismo e na formalização de produtos da agricultura falimiar em seus territórios rurais.

 

A mostra fotográfica internacional entitulada "Mulheres em Ação" deu visibilidade aos múltiplos papéis que as mulheres rurales ocupam.

“Mulheres rurais, mulheres com direitos”

Junto com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO), a REAF e o MAG do Paraguai, o IICA organizou uma mostra fotográfica internacional entitulada "Mulheres em Ação". A exposição faz parte da campanha regional "Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos", que pretende promover o fortalecimento e o desenvolvimento de políticas de igualdade de gênero para a agricultura familiar.

As fotografias mostram mulheres rurais da Argentina, do Brasil, da Bolívia, da Colômbia, do Chile, do Uruguai, do Equador e do Paraguai em suas diferentes tarefas cotidianas e nos papéis que cumprem no âmbito doméstico, na sua vizinhança e na sociedade.

De acordo com a líder do Projeto Insígnia de Agricultura Familiar do IICA, Fátima Almada, o objetivo desta iniciativa é dar visibilidade aos múltiplos papéis que as mulheres ocupam nas dinâmicas sócio-produtivas no interior de seus núcleos familiares, nas organizações que integram e em seus territórios rurais.

"No IICA, com nossos instrumentos de cooperação técnica, orientamos para ações afirmativas para alcançar a inclusão efetiva das mulheres rurais, que constituem uma das forças motrizes da economia dos territórios rurais", apontou Almada.

 

Sobre o IICA

É o organismo internacional especializado em agricultura do Sistema Interamericano. Sua  missão é estimular, promover e apoiar os esforços de seus 34 Estados-membros para alcançar o desenvolvimento agrícola e o bem-estar rural, por meio da cooperação técnica internacional de excelência.

 

Mais informação:

Breno Tiburcio

Especialista do IICA em Produtividade e Sustentabilidade da Agricultura Familiar

breno.tiburcio@iica.int

 

Ir Arriba